Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 3

Atenção! Esse post contém extensivos spoilers da aventura. Se pretende jogar Lost Mine of Phandelver como jogador, pare de ler aqui.

lmop

Nesse post, veremos como podemos expandir as opções de aventuras em torno de Phandalin após terminar The Lost Mine of Phandelver. Com base no conhecimento construído anteriormente, vamos analisar as opções, considerando ainda aventuras já lançadas na DM’s Guild.

In Volo’s Wake

Após a mina ter sido reativada e os problemas com o Aranha Negra solucionados, a notícia se espalha e Phandalin cresce. Acaba atraindo a atenção de Volothamp Geddarm, autor de livros sobre masmorras, cidades, monstros e tudo o mais que ele puder escrever (nem sempre com precisão ou sendo imparcial).

Sua passagem por Phandalin atrai a atenção de curiosos, em sua maioria nobres empolados que desejam ter uma aventura e pessoas relacionadas com NPCs da aventura anterior. In Volo’s Wake [2] está disponível na DM’s Guild e é uma aventura oficial.

Thundertree

Em relação a Venomfang, com o fim da Segunda Separação, a Floresta Neverwinter seria um bom lugar para ele montar sua toca. O Anel Aterrorizante (Dread Ring) não está mais ativo, Thundertree é mais perto da civilização.

Talvez o maior motivo seja porque a região é campo de caça [3] de 3 dragões bem mais poderosos que ele: Klauth [4], Voaraghamanthar [5] e Claugiyliamatar [6]. Possivelmente esses dragões ainda estão vivos e ativos em 1488 CV. Esconder-se nas ruínas de uma cidade populada por zumbis das cinzas e galhos da podridão, até que possa encontrar um lar definitivo, seria um plano razoável.

Wyrms_North_territories.jpg

Áreas de caça dos dragões, 1370 CV, Wizards of the Coast

Poço da Velha Coruja

Como vimos no post anterior, o Poço da Velha Coruja tinha tripla função: ser um ponto de reabastecimento de água para caravanas netherese e de aliados, servir de posto de espionagem de Illefarn para Netheril e, talvez o objetivo maior do Terraseer, ponto de acesso a chardalyns para que os humanos desenvolvessem a magia de gemas.

Com a queda de Netheril e o abandono do Poço da Velha Coruja previamente em -2095 CV [15, p. 33], ainda podem haver cofres de chardalyns [8, p. 107] em meio às ruínas sarrukh. A informação de que o poço foi escavado e um sistema de encanamento perfura por volta de 6 km de terra [7, p. 8], em algum ponto atingiram uma entrada para as ruínas sarrukh, sendo provavelmente no acesso do poço o próximo a ele.

Dê uma olhada em como o Scrivener of Doom trata essa questão do Poço e expande para uma aventura de dungeon crawl.

A própria presença de Hamun no local, de posse da informação do criador do poço, como vimos no post passado, pode ser um empecilho a longo prazo. Com os Magos Vermelhos de Thay enviando mais recursos para que Hamun continue a escavação, pode haver problemas diplomáticos ou mesmo um novo enclave de Thay surgindo na região. Considere que Thay conseguia acessar Evernight pelo Pendor das Sombras [9] (Shadowfell) e temos aí um possível motivo para uma nova e rápida invasão na região.

Uruth Ukrypt

Em 1018 CV, no ano que houve a passagem do cometa Kingslayer e a Fúria dos Dragões, Shammagar saqueou os tesouros de Uruth Ukrypt, entre eles o Trono de Sangue e Ossos [10, p. 73] e se escondeu em Melairrin. Porém, como vimos no post anterior, o trono foi recuperado por aventureiros e perdido a caminho da Fortaleza dos Arautos¹, indo possivelmente parar na Floresta Alta.

Bloodbone Throne of Uruth Ukrypt

Trono de Sangue e Ossos, Dragon #351

Isso pode não ser do conhecimento de todo orc, ainda mais se o trono não foi recuperado. Os orcs de Wyvern Tor poderiam estar atrás desse trono, bem como alguns outros orcs simpatizantes com a ideia de que, após a queda de Muitas-Flechas, eles mereçam ter alguma glória do passado restaurada.

Uma nova horda pode estar se formando e caberá à Aliança dos Lordes (Lord’s Alliance) fazer a resistência contra.

Southkrypt e Floresta Kryptgarden

A nordeste de Southkrypt, na área florestada de Kryptgarden, havia outro posto netherese [7, p. 8], criado pelos agentes de Terraseer, onde desenvolveram muitos itens mágicos.

Na DM’s Guild há uma série de 3 aventuras [12 ; 13 ; 14] baseadas em encontrar o antigo caminho perdido entre as Montanhas da Espada que leva para Ponte Ocidental (Westbridge) e explorar as ruínas de Southkrypt.

Ainda sobre a floresta Kryptgarden, Claugiyliamatar faz seu lar nela. Existe uma aventura dentro do arco Tiranny of Dragons que não está disponível na DM’s Guild, a Corruption in Kryptgarden, que trata sobre a dragoa e a Máscara dos Dragões Verdes. Porém, quem procura, acha…

A Presença de Nezznar

Não é difícil justificar a presença de Nezznar no local. Contudo, para os mestres que são pedantes, as ruínas de Melairrin, na parte sul das Montanhas da Espada, têm um acesso ao Underdark, bem como o antigo lar de Uruth Ukrypt [15,  p. 112], por onde tentaram escavar até atingir Waterdeep.

Nezznar não parecia responder a nenhuma clériga de Lolth superiora. Isso pode ser modificado pelo mestre, com outros drows surgindo para descobrir o que aconteceu com o (fraco) Nezznar e talvez tomar de assalto a Caverna Eco das Ondas.

Além disso, na carta que os personagens podem interceptar nos pertences de Cajadovítreo, há a menção sobre espiões de Nezznar em Neverwinter.  Descobrir quem são esses espiões, se de alguma forma estão infiltrados na Aliança dos Lordes, como estava Albrek, pode levar a uma nova aventura, desvendando outras ramificações da teia do Aranha Negra.

Continuando com as outras aventuras oficiais

No final alternativo sugerido na própria aventura, Halia Thornton liberta Nezznar e o entrega aos Zhentarim. Se algum dos personagens estiver afiliado a essa facção, é possível que eles desejem saber qual entrada para Underdark Nezznar usou, a que ela dá acesso, rotas comerciais, etc. Para isso, consultar a aventura Out of the Abyss [16] pode dar mais informações, ou mesmo levar ao início da aventura, com a captura dos personagens pelos drow.

Uma opção natural é aproveitar que os personagens devem estar pelo 5º nível e já embarcar na aventura Storm King’s Thunder [17]. Com a presença do Culto do Dragão em Thundertree, a captura de um dos cultistas pode dar prenúncios de que o culto planeja algo maior. Esse recurso narrativo, “foreshadowing”, pode ser usado com a aventura Hoard of the Dragon Queen [18] da Tyranny of Dragons.

Como Toblen Stonehill é um triboariano, ele pode sugerir que os aventureiros sigam para Triboar conseguir emprego. Na região do Dessarin terão contato com os eventos de Princes of Elemental Evil [19].

Até agora…

Nesse post vimos como o mestre pode continuar a explorar a região ao redor de Phandalin após terminar a aventura do Starter Set, usando tanto aventuras da DM’s Guild quanto planejando suas próprias aventuras baseado no conhecimento da região.

O blog My Realms tem uma série de posts tratando especificamente sobre como transformar a Lost Mine of Phandelver em um hexcrawl. Vale a pena dar uma olhada em como ele trata a expansão da aventura.

No próximo post da série, veremos como o mestre pode explorar as falhas em completar as missões dos NPCs. O que aconteceria se Sildar Hallwinter nunca fosse encontrado? E se falhassem em expulsar Venomfang?

Notas

1 – De fato, como evidencia o livro Fronteiras Prateadas [11, p. 48], o falso mythal do Forte dos Arautos o faz ser um ótimo lugar para guardar o Trono de Sangue e Ossos, já que ele impede a entrada de orcs. A própria construção é dita ter sobrevivido a ataques épicos.

Referências

[1] Rich Baker, Lost Mine of Phandelver, In: Dungeons & Dragons Starter Set, Wizards of the Coast, 2014.
[2] Monica Valentinelli, Shawn Merwin, Rich Lescouflair, In Volo’s Wake, DM’s Guild, 2017. Disponível em: http://www.dmsguild.com/product/203580/In-Volos-Wake-5e?affiliate_id=308673 Último acesso em: 22/04/2017
[3] Ed Greenwood, Sean K. Reynolds, By Dragons Ruled and Divided – The Draconic Domains of the Sword Coast North, In: Wyrms of the North, Wizards of the Coast, Disponível em: http://archive.wizards.com/default.asp?x=dnd/wn/20041201a. Último acesso em: 22/04/2017.
[4] Ed Greenwood, Sean K. Reynolds, Klauth, “the Old Snarl”, Wizards of the Coast, 2003. Disponível em: http://archive.wizards.com/default.asp?x=dnd/wn/20030226a. Último acesso em: 22/04/2017
[5] Ed Greenwood, Sean K. Reynolds, Voaraghamanthar, “the Black Death”, Wizards of the Coast, 2004. Disponível em: http://archive.wizards.com/default.asp?x=dnd/wn/20040310a. Último acesso em: 22/04/2017
[6] Ed Greenwood, Sean K. Reynolds, Claugiyliamatar, “Old Gnawbone”, Wizards of the Coast, 2002. Disponível em: http://archive.wizards.com/default.asp?x=dnd/wn/20020227a. Último acesso em: 22/04/2017
[7] slade, Jim Butler, The Winds of Netheril, In: Netheril: Empire of Magic, TSR, 1995. [link]
[8] Richard Baker, Ed Bonny, Travis Stout, Lost Empires of Faerûn, Wizards of the Coast, 2005. [link]
[9] Matt Sernet, Ari Marmell, Erik Scott de Bie, Neverwinter Campaign Setting, Wizards of the Coast, 2011. [link]
[10] Eric L. Boyd, Ed Greenwood, Lost Regalia of the North: The Toppled Thrones, In: Dragon Magazine #351, Paizo Publishing, Janeiro 2007.
[11] Ed Greenwood, Jason Carl, Fronteiras Prateadas, Devir, 2004. [link]
[12] Keith Stonefield, Southkrypt Pass, DM’s Guild, 2016. Disponível em: http://www.dmsguild.com/product/173281/Southcrypt-Pass?affiliate_id=308673. Último acesso em: 23/04/2017.
[13] Keith Stonefield, Southkrypt Falls, DM’s Guid, 2016. Disponível em: http://www.dmsguild.com/product/176507/Southcrypt-Falls?affiliate_id=308673. Último acesso em: 23/04/2017.
[14] Keith Stonefield, Southkrypt: The Upper Halls, DM’s Guild, 2017. Disponível em: http://www.dmsguild.com/product/207578/Southcrypt-The-Upper-Halls?affiliate_id=308673. Último acesso em: 23/04/2017.
[15] Brian R. James, Ed Greenwood, The Grand History of the Realms, Wizards of the Coast, 2007. [link]
[16] Christopher Perkins, Adam Lee, Richard Whitters, Out of the Abyss, Wizards of the Coast, 2015.
[17] Christopher Perkins, Jenna Helland, Adam Lee, Richard Whitters, Storm King’s Thunder, Wizards of the Coast, 2016.
[18] Wolfgang Baur, Steve Winter, Hoard of the Dragon Queen, Wizards of the Coast, 2014.
[19] Sasquatch Game Studio, Princes of Elemental Evil, Wizards of the Coast, 2015.

Posts na série

  1. Expandindo a Mina Perdida de Phandelver
  2. Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 1
  3. Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 2
  4. Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 3
  5. Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 4
Anúncios

4 comentários sobre “Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 3

  1. Pingback: Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 1 | As Minas de Sal de Zanzer Tem

  2. Pingback: Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 2 | As Minas de Sal de Zanzer Tem

  3. Pingback: Expandindo a Mina Perdida de Phandelver | As Minas de Sal de Zanzer Tem

  4. Pingback: Expandindo a Mina Perdida de Phandelver – Parte 4 | As Minas de Sal de Zanzer Tem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s