Dia das Bruxas 2016: Old Dragon – O Tomo da Perdição

[Alerta de Spoilers!] Esse post contém informações menores sobre as seguintes aventuras: O Templo dos Desmortos (Old Dragon Day 2012) e A Cripta do Terror. Caso você seja jogador em uma dessas aventuras ou pretenda jogar algum dia, é recomendável que pare de ler agora.


A aventura O Templo dos Desmortos (Old Dragon Day 2012) menciona um livro profano guardado nas catacumbas do templo. Ao final da aventura, o destino do livro parece ter sido a fogueira, com apenas parte de uma página restante, o que leva à aventura A Cripta do Terror.

Mas e se o livro não tivesse sido queimado, ou melhor, o que havia sido queimado fora o diário de Kadhras e o livro tivesse sido retirado e levado para outro lugar? Ou então como o livro profano foi levado para seu local de repouso? Que segredos se encerram em suas páginas? Quem o fez? Qual sua relação com a Cripta do Terror?

No post de hoje, vamos explorar algumas opções para o tal livro profano. Aproveitem e vejam como Diogo Nogueira, do Pontos de Experiência, mestrou a aventura (com plot twist).

O Tomo da Perdição

História

“Conta-se a história de que o grande arquimago Evad X’agyg obteve o segredo da imortalidade ao receber um tomo de grande grande poder de uma entidade extraplanar. Em suas páginas se encerravam o conhecimento sobre o domínio da vida e da morte.

O arquimago levou seu conhecimento para o túmulo, mas o Tomo da Perdição, como veio a ser conhecido, não seria esquecido pelo mundo. Para a surpresa de todos, o livro profano foi saqueado da cripta do arquimago por um de seus aprendizes que sobreviveram.

Mas foi pelos feitos de uma ordem de cavaleiros já esquecida que o tomo foi recuperado antes que o aprendiz pudesse dominar seus conhecimentos e trouxesse a ameaça de um poder quase tão grande quanto o de Evad X’agyg. O paradeiro do tomo, entretanto, é desconhecido.”

Porém, este não é o mesmo tomo oferecido pela entidade a Evad X’agyg. Sabendo que seria alvo de roubos, Evad construiu um falso livro,  com a mesma aparência e aura mágica do livro original (cuja real localização não se sabe). De fato, um de seus aprendizes o traiu e roubou o livro.

Mas antes que a ordem de cavaleiros pudesse encontrar o aprendiz e impedí-lo de usar os poderes nele contidos, a armadilha do arquimago foi acionada. Os cavaleiros não encontraram um lich, demilich ou arquilich. Encontraram apenas um carniçal usando robes de mago.

O tomo tem sim conhecimentos arcanos sobre vida e morte, mas o ritual nele inscrito para alcançar a imortalidade é uma armadilha colocada por X’agyg: o mago ou clérigo é transformado em um morto-vivo comum.

Descrição

Este livro tem capa feita de pele humana sobre madeira com as páginas de couro trançado. Um pesado volume, preso por uma fivela. Durante a leitura do livro, o leitor vai sendo consumido por suas promessas de poder sobre a morte, bem como sua corrupção pelos sombrios poderes que o criaram.

Sistema

O livro apresenta algumas magias ligadas à necromancia que podem ser copiadas como o Livro de Regras indica. Mas o que chama atenção no Tomo da Perdição é seu ritual para imortalidade. Apenas necromantes poderosos conseguem perceber os erros no ritual e assim identificar que o Tomo da Perdição não é o lendário livro de X’agyg. A eles é permitido um teste de Inteligência (ou perícia correspondente, caso esteja usando algum sistema de perícias) para identificar a falsidade.

A leitura do tomo leva 5 dias completos. O leitor não deve interromper sua leitura ou o conhecimento se perderá. O ritual descrito envolve a aquisição de itens mágicos e componentes raros e proibidos. A real natureza dos itens e componentes a serem sacrificados é deixada a cargo do mestre. O ritual não se apresenta da mesma forma para magos ou clérigos diferentes.

Se o mago ou clérigo completar o ritual, ele deve fazer uma Jogada de Proteção baseada em Sabedoria, com redutor de -2. Caso tenha sucesso, nada acontece. Para o ritualista, parece que o ritual falhou e ele pode tentar novamente na próxima lua cheia.

Porém, se a jogada de proteção falhar, o Mestre rolará na tabela qual a forma de morto-vivo assumida pelo mago. Novas formas de morto-vivo podem ser acrescentadas à tabela, mas nunca será uma forma como lich, arquilich, demilich ou similares usuários de magia. O mago ou clérigo, agora morto-vivo, passa a ser controlado por Evad X’agyg, sendo seus olhos e ouvidos no mundo. Essa é a armadilha e a punição de Evad X’agyg para aqueles que decidiram traí-lo.

Tabela: Transformação em Morto-Vivo

2d6 Forma de Morto-Vivo
2 Espectro
3 – 4 Carniçal
5 – 6 Zumbi
7 – 8 Esqueleto
8 – 9 Sombra
10 – 11 Aparição
12 Múmia
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s